CEPESE CEPESE | CENTRO DE ESTUDOS DA POPULAÇÃO, ECONOMIA E SOCIEDADE


Apresentação

O Seminário Internacional “Estudos de I(E)migração Ibérica: Práticas Associativas e Turismo de Raízes”, organizado pelo Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade (CEPESE), da Universidade do Porto, pelo Centro de Humanidades – Núcleo dos Açores (CHAM-A), da Universidade dos Açores, e pelo Laboratório de Estudos de Imigração (LABIMI), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), pretende dar continuidade às pesquisas que vêm a ser desenvolvidas por especialistas portugueses, brasileiros e de outros países, integrantes de instituições universitárias, laboratórios e grupos de investigação. Contemplando tanto os países de partida, quanto os países de chegada, a problemática da e/imigração impõe a necessidade de um diálogo permanente entre investigadores e instituições situadas dos dois lados do Atlântico, para que este Seminário pretende contribuir.

O Seminário terá lugar na Universidade dos Açores, campus de Ponta Delgada (S. Miguel), entre os dias 16 e 19 de setembro de 2019.

Entre as grandes questões a abordar, avulta, desde logo, o tema do associativismo imigrante. Ao longo do século XX, como resultado do processo dos grandes ciclos migratórios europeus, nos períodos de 1890-1930/1950-1960, muitos centros recreativos e assistenciais foram criados pelos imigrantes, principalmente nas Américas. O apoio assistencialista era uma prática comum nos países com altos índices de imigração. Quando os estrangeiros se tornavam um grupo numeroso e coeso e conquistavam uma certa posição económica e social na sociedade de acolhimento, formavam associações com fins assistencialistas ou culturais, como forma de proteger e defender os seus interesses. Outrossim, as associações contribuíam para reforçar as identidades e preservar as tradições, oferecendo, ainda, apoio económico tanto no país de origem como no de acolhimento, além da reivindicação de determinados direitos na sociedade de acolhimento. Conhecido e muito estudado pela historiografia contemporânea, o associativismo espanhol e português gerou uma forte rede de solidariedade, que possibilitava a circulação de ideias, através da edição de periódicos e revistas, bem como de remessas para a sociedade de origem. Na i(e)migração ibérica, de forma geral, o associativismo representa uma importante base de sua história e um tema imprescindível para compreender questões tão relevantes como podem ser a manutenção das tradições, a projeção na sociedade de receção e o envio de remessas para a sociedade de origem, entre outras.

Também decorrente do fenómeno da e/imigração, o designado Turismo de Raízes ou da Diáspora assume hoje uma inegável importância. Caracterizado pela deslocação de emigrantes e/ou seus descendentes à procura das suas raízes, das memórias próprias ou formadas pelos relatos de familiares e amigos, trata-se de um Turismo assente no imaginário de um território sonhado e vivido ao longo do tempo. O Turismo de Raízes proporciona, assim, uma importante rede de circulação de objetos, símbolos e ideias, que faz com que o visitante entre em contacto com o produto turístico e obtenha uma experiência autêntica. Constituindo uma dimensão de extraordinária e crescente relevância e atualidade no panorama global do Turismo, urge aprofundar o seu estudo e compreensão, nas suas múltiplas facetas.

Outras questões no domínio do estudo das migrações merecem uma análise igualmente exaustiva e pormenorizada. No atual quadro de convulsões políticas que vêm sucedendo nos dois lados do Atlântico, pautado pelo recrudescer de nacionalismos e populismos, importa refletir sobre a evolução do quadro legislativo e normativo da emigração ao longo dos últimos dois séculos, mas também sobre os mecanismos de acolhimento, mobilidade e representatividade social do imigrante, a forma como o processo de integração se relaciona com a identidade individual e coletiva, a perceção que imigrantes e nacionais têm desta realidade, e como todas estas questões evoluíram no tempo, de forma a colher no passado lições para o presente e perspetivar o futuro. Importa, finalmente, analisar casos de sucesso de empreendedorismo emigrante, no passado e no presente, em ordem a estabelecer eventuais modelos que estejam por detrás do êxito empreendedor e perceber se e como é que a condição de “emigrante” se refletiu no percurso dos “bem-sucedidos”.